“O império dos EUA vai acabar até 2020”


Johan Galtung, fundador da disciplina de Estudos da Paz nos curriculos académicos e que já mediou mais de uma centena de conflitos, diz que já só três países estão dispostos a fazer o trabalho por Washington: Reino Unido, Dinamarca e Noruega

O norueguês Johan Galtung é habitualmente apresentado como o fundador dos estudos da paz: foi ele que há quase 60 anos introduziu a disciplina no currículo académico de uma das principais universidades dos Estados Unidos (Columbia, em Nova Iorque), ao mesmo tempo que lançava o Instituto de Pesquisas da Paz em Oslo. No âmbito da sua investigação, elaborou modelos e desenvolveu teorias que serviram para prever – correctamente – a revolução iraniana ou o colapso da União Soviética. E fora das portas da academia, participou na intermediação de mais de uma centena de conflitos – na antiga Jugoslávia, no Médio Oriente ou no Afeganistão. Actualmente, dirige a Transcend International, uma rede sem fins lucrativos para a paz, desenvolvimento e meio ambiente.

Esteve em Braga num seminário na Universidade do Minho com o tema “Cinco décadas de investigação da paz – passado e futuro”. Pode explicar-nos como tudo começou?
Na verdade eu comecei em 1958, por isso são seis décadas! Duas coisas aconteceram nesse ano. Eu era professor de Sociologia na Universidade de Columbia, e a minha intenção era estudar, publicar. Com os meus alunos de doutoramento, fui a Charlottesville, na Virginia, para entrevistar duas mil pessoas, mas depois de chegar lá o xerife e o mayor vieram ter comigo: “Sabe, o Supremo Tribunal decidiu acabar com a segregação nas escolas. Como podemos fazê-lo de forma pacífica?” A pergunta pareceu-me mais importante do que escrever um livro, e foi assim que despertei para a mediação de paz. A outra coisa que aconteceu foi que estabeleci a distinção entre a paz negativa e paz positiva. Fazia isso de forma teórica, por isso a teoria da investigação da paz e a prática da intermediação juntaram-se em 1958.

Ao longo dessas seis décadas, o mundo passou por transformações profundas. A sua abordagem também mudou?
Sim, está sempre a mudar. Quando não se faz só a teoria, mas também a prática, descobrem-se problemas em que antes não tínhamos pensado. Isso enriquece a teoria. Ao mesmo tempo, exige que a teoria venha a ser indicativa da prática, ou seja, perante uma determinada situação indicar uma determinada resposta. Já fiz isso mais de 150 vezes: perante situações muito concretas, propus soluções.

Essa experiência levou-o a desenhar um modelo matemático para a mediação de paz e resolução de conflitos. Como funciona?
Não lhe chamaria exactamente um modelo, diria antes que é uma indicação de quatro coisas que devem ser feitas para alcançar esse objectivo. Apresento-a sob a forma de uma fracção, com duas coisas positivas no numerador e duas negativas no denominador. A primeira coisa positiva é crítica, e tem a ver com a cooperação para um benefício mútuo e igual entre as partes. A segunda, vamos chamar-lhe harmonia ou empatia, significa que somos capazes de entender o outro lado, ou todos os lados, a partir do interior. Isto é, se eu for uma parte num conflito, tenho de me entender a mim próprio e ao outro lado. E se sou o mediador, tenho de entender todos os lados.

Depois, no denominador dessa fracção temos o trauma multiplicado pelo conflito. O que quero dizer em relação ao trauma é que pode levar à vingança, e o conflito pode levar à agressão. Para diminuir o trauma e o conflito, tem de se fazer conciliação e resolução. Portanto, nessa equação matemática temos quatro tarefas. E ainda poderia acrescentar uma quinta, a que chamo de “aprofundamento cultural”, e que passa pela compreensão do guião invisível que motiva a acção das partes, o seu código genético. No caso dos Estados Unidos da América, chamo-lhe mesmo DNA, as iniciais de Dualismo, Nuclear e Armagedão. Dualismo porque os EUA estão sempre a dividir o mundo em duas partes, uma boa e outra má, e Armagedão porque uma dessas opções é tão má que não se considera o diálogo, e o risco é sempre de acabar em batalha. A política externa americana adequa-se a esse dualismo.

Esse seu modelo pode aplicar-se a todos os casos e em todas circunstâncias?
Precisamente. Não vou dizer que é fácil, mas pode fazer-se. Vou dar um exemplo concreto: um casal em que o marido era um homem de negócios que levava os seus livros de contabilidade para casa e a mulher se converteu ao budismo. Ela levava a religião muito a sério e ficava zangada com o marido porque achava que ele só se preocupava com dinheiro e era a riqueza interior que importava. Ele respondia que todo o conforto de que ela gostava exigia o dinheiro que ele ganhava. Estavam sempre a discutir. Ora, quando falo em empatia, refiro-me a encontrar algo de positivo que as duas partes possam fazer. A primeira regra é falar com um de cada vez, para perceber o que querem. E eu digo: não há nada de errado em ser budista, e não há nada de errado em ser um homem de negócios. A minha estratégia, depois de falar com os ambos, foi perguntar: conseguem-se imaginar gerir juntos uma livraria budista? O “truque” é combinar a bondade das partes e fazer um projecto comum. Essa livraria ainda existe.

Acredita que em cada conflito se pode encontrar esse ponto comum e que as partes podem sempre chegar a compromisso?
Não se trata de compromisso. Isso seria se ela ficasse um pouco menos budista e ele deixasse de trazer a contabilidade para casa. O que eu proponho é uma coisa diferente, que passa por transcender, por ir além para construir algo novo: ela continua a ser budista e ele continua a ser empresário mas os dois deixam de se excluir. A mediação é criar algo de novo em ambos os lados. Com algum treino é possível encontrar um meio de dar esse passo e construir essa ponte. Já o fiz muitas vezes, quer ao nível micro, para resolver conflitos entre pessoas; ao nível médio, entre sociedades; ao nível máximo, quando tratei de problemas entre estados; e ao nível mega, entre regiões e civilizações.

Nesses níveis macro e mega, enfrentamos desafios, do terrorismo às alterações climáticas e à proliferação nuclear. Ao mesmo tempo, os indicadores mostram que o mundo nunca conheceu tão poucos conflitos como agora. Como explica esta aparente contradição na nossa percepção aguda dos riscos e ameaças no mundo em que vivemos?
A nossa percepção está totalmente errada. É verdade que o mundo está melhor do que nunca. Mas temos um mundo multipolar. Isso significa que lidamos com situações que são muito diferentes. Lidamos com conflitos entre o Ocidente e o islão, mas também lidamos com conflitos em África e na América. Temos a questão de Israel e da Palestina, ou se quisermos a questão do mundo judaico-cristão e do mundo árabe. Na Ásia Central temos o Afeganistão, que é muito complicado. Temos a China a assumir um novo papel preponderante no mundo. E temos uma política mundial que é pacífica mas com armamento.

Os EUA que geriam o mundo em nome do Ocidente. Sem nunca terem pedido autorização intervieram militarmente mais de duas mil vezes desde 1801. Esse é um número que as pessoas não conhecem. Como também não sabem que, desde 1945, os EUA mataram mais de 20 milhões de pessoas em mais de 47 países. Os EUA são um grande problema, tal como Israel. São as duas grandes fontes de guerras. A razão por que hoje temos terrorismo é, em grande parte, uma resposta à violência dos EUA e Israel. É verdade que não temos guerras entre Estados, elas quase desapareceram. Agora temos outro fenómeno, a que chamo terrorismo de Estado, e que é largar bombas em cima da população civil. Em relação ao outro terrorismo é 99 para 1. As pessoas ou andam a dormir ou fizeram-lhes uma lavagem cerebral.

Mas com tudo isto que se passa no mundo, o que eu digo é o mesmo: encontrem a raiz do conflito e tentem resolvê-lo, através de três fases: mapeamento, legitimação e construção de pontes. Isto é, onde estão as partes, como justifico o que pretendo e como construo uma ponte entre objectivos legítimos.

Quer dizer que mesmo que por vezes não seja possível evitar o conflito é possível encontrar uma solução não violenta?

De forma dogmática diria que é sempre possível, o que não quer dizer que essa solução possa ser encontrada imediatamente. É preciso procurá-la, e pode não ser fácil. O momento crítico é dar esse passo criativo – é o momento em que pensamos: que tal uma livraria budista? Temos de ver o valor que existe em ambos os lados.

As lideranças políticas de hoje, a quem compete resolver tantos conflitos complexos, têm essa criatividade? 
As lideranças ocidentais não têm mostrado criatividade alguma. Mas encontro enorme criatividade na China, por exemplo na ideia que tiveram de convidar todo o mundo a usar a nova rota da seda, a infraestrutura de estradas e caminhos-de-ferro e portos que estão a construir. Com esse projecto eles conseguiram abrir a África muito mais do que em todo o período do colonialismo. Claro que não estão a fazê-lo só por generosidade, estão à espera de recolher os seus lucros. Mas estão a mostrar como se podem encontrar novas oportunidades. E os africanos estão gratos. A China tem a vantagem de tratar os africanos de uma maneira muito diferente e melhor do que fizeram os britânicos, os franceses, os belgas, os portugueses. O que se passou [no período colonial] não foi nada bonito.

Tem teorias influentes sobre a ascensão e a queda de impérios – e que o levaram a prever a revolução iraniana, o colapso da União Soviética, a revolta da Praça de Tianamen. Como olha para a situação actual desses países?

Para começar, temos de ver o que significavam esses impérios: havia um país, um cliente, que tinha uma elite local a fazer o trabalho por si. Pensemos por exemplo em Angola e Moçambique, e na elite local a produzir para os portugueses. Quando esses países se tornaram independentes, essa elite local deixou de fazer esse trabalho. Isso é o fim do imperialismo. E isso aconteceu muitas vezes no último século. O império soviético, que como eu previ acabou por volta dos anos 90, foi o último. A minha nova previsão é que até 2020 acabe o império dos Estados Unidos, que já só têm três países que estão dispostos a fazer o trabalho por eles: o Reino Unido, a Dinamarca e a Noruega. E porquê? Porque são evangélicos. Não são católicos, estes distanciaram-se. Na União Europeia, a mensagem foi muito clara: não vamos continuar a lutar nas guerras dos EUA. Mas o Reino Unido ainda está a lutar as guerras dos EUA. A Dinamarca e Noruega estão a bombardear na Líbia – enquanto por exemplo a França e a Alemanha não. E por isso esses países foram recompensados, com os primeiros-ministros a ser nomeados secretário-geral da NATO. Essa é a maneira que o sistema funciona.

A sua previsão do fim do império dos EUA já tem em conta o impacto da eleição de Donald Trump e os possíveis efeitos das políticas da sua Administração?
Com Trump a situação está a deteriorar-se muito rapidamente. Donald Trump é incapaz de conceber relacionamentos recíprocos. Ele é narcisista e paranóico, não acolhe ideias e reage com violência à crítica. Os países aliados dos EUA estão desesperados e não sabem o que fazer. Estou certo que no Ministério dos Negócios Estrangeiros de Lisboa, como em muitos outros, estão desejosos que Trump possa desaparecer o mais depressa possível para poderem voltar a lidar com uma Administração normal. Mas também poderia dizer que se os EUA aceitaram ter uma pessoa como Donald Trump na presidência, então é porque também há o mesmo tipo de narcisismo e de paranóia nos EUA. Os EUA pensam demasiado bem de si próprios, e chamam a isso “excepcionalismo”, e vêem ameaças à sua segurança em todo o lado. Talvez fosse melhor olharem para os restantes países do mundo e pensar no que podem fazer e conseguir juntos: é isso que fazem os directores das empresas, e fazem-no bem, estabelecem parcerias e fazem negócios muito melhores do que os políticos.

Em entrevistas referiu os conceitos de nação e Estado, e a confusão que existe entre os dois, para explicar crises que nos estão distantes, como o Afeganistão, ou que nos são próximas, como a Catalunha.

Sim, o jornal El País até sugeriu o meu nome como possível mediador para a crise. Então vejamos: a posição de Madrid é “um Estado” e a posição dos independentistas da Catalunha – minoritária— é “dois Estados”. Mas entre um e dois estados há muitas alternativas. Antes da solução dois estados, que é um passo dramático, ainda temos a federação e a confederação. A federação seria uma solução simples: seria uma nação diferente com a sua própria língua, e talvez com a sua própria gestão do fundo de pensões. E quando fizerem isso terão um grau mais elevado de autonomia, fazendo na mesma parte de Espanha. E mesmo se quisessem chamar-se independentes, fariam parte de uma comunidade de nações em Espanha.

É uma questão de dois modelos: o modelo de Franco, “una grande libre”, e o oposto, “una comunidade de naciones”. Penso que a segunda hipótese é muito mais realista. Há seis nações em Espanha: os catalães, os bascos, os galegos, os castelhanos, os andaluzes e os baleares e os canários. Uma Espanha viável seria uma federação desses nações, com autonomia local mas na mesma um Estado. Penso que é um belo modelo.

Agora são precisas ideias concretas de como fazer isso. O que eu diria é para se ter cuidado com as hierarquias da Catalunha, com os mais ricos que querem explorar os trabalhadores eles próprios sem ter de partilhar a riqueza com Madrid. Foi assim que se fez a independência dos EUA, quando os colonos decidiram que era melhor serem eles próprios a explorar os escravos sem partilhar com Londres.

Ao mesmo tempo, os catalães têm todo o direito de querer governar o seu próprio país, com a sua língua e a sua cultura. Vai tudo dar a 1640 que é também quando Portugal entra nesta equação: Filipe II tinha agitação na província de Portugal e na Catalunha, mas só tinha Exército para conter uma das duas rebeliões. E foi assim que Portugal se tornou independente, com a supressão da revolta da Catalunha. Por isso penso que os portugueses, porque beneficiaram em 1640, deviam ter compaixão da Catalunha e pronunciar-se a favor, não da independência, mas de uma maior autonomia.

 

https://www.publico.pt/2017/11/24/mundo/entrevista/temos-uma-politica-mundial-que-e-pacifica-mas-com-armamento-1793652

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *