CENEGRI: 10 anos de atividades


Criando em maio de 2004 no Rio de Janeiro, o CENEGRI tornou-se o principal centro de difusão da Geopolítica Brasileira nos últimos dez anos. Sem contar com nenhum apoio financeiro a instituição carioca conquistou admiração tanto no Brasil no exterior. Para falar sobre os dez anos de fundação do CENEGRI, o Portal CENEGRI entrevistou o seu diretor-geral e fundador, Charles Pennaforte.

 

Portal CENEGRI – Professor, como surgiu a ideia de criar um centro de pesquisa voltado para Geopolítica e Relações Internacionais?

Charles Pennaforte – A ideia surgiu primeiramente da dificuldade oferecida pelo meio acadêmico tradicional em facilitar a participação de pessoas que não estivessem vinculadas aos grupos universitários. O meio universitário é extremamente fechado e impede a colaboração de pessoas que não estejam associadas a esses grupos.

O segundo fator era divulgar principalmente a Geopolítica, ainda muito estigmatizada no meio acadêmico. A ideia era congregar todos os que tivessem vontade  e interesse em participar independentemente de sua vinculação ou não à Universidade.

Portal CENEGRI – E a revista Intellector? Como foi o seu processo de criação?

Charles Pennaforte – A Intellector  foi criada com o objetivo de ser a ligação entre a produção intelectual do Centro e a comunidade. A divulgação do que é produzido na academia é fundamental. A criação obedeceu primeiramente ao contato com colegas que estivessem interessados na proposta e em participar da composição do Conselho Editorial. Hoje, o Conselho tem a participação de representantes de vários países das Américas e da Europa.

A Intellector está indexada às principais universidades do mundo através das bibliotecas online das instituições e no Brasil recebe a classificação de B3 no Qualis/Capes em Ciência Política/Relações Internacionais/Geografia. E chegou o primeiro semestre de 2014 ao seu vigésimo número de publicação ininterrupta.

 

CENEGRI  não conta com recursos externos. O que fazemos é com nossos próprios recursos, ou seja com a ajuda de amigos e colaboradores. Acho que o CENEGRI prova que mais do que dinheiro é fundamental a dedicação e o desejo de fazer a diferença

 

Portal CENEGRI – E os recursos professor, de onde eles vêm?

Charles Pennaforte – O CENEGRI  não conta com recursos externos. O que fazemos é com nossos próprios recursos, ou seja com a ajuda de amigos e colaboradores. Acho que o CENEGRI prova que mais do que dinheiro é fundamental a dedicação e o desejo de fazer a diferença. Logicamente que desejamos contar com recursos externos desde que eles não influenciem na nossa independência editorial e administrativa.

Portal CENEGRI  – O CENEGRI também se destaca na produção editorial. Como se deu a criação da editora Cenegri Edições?

Charles Pennaforte – Quando a Intellector passou a ser editada no formato impresso foi inevitável que a produção de livros se tornasse mais uma área de atuação do CENEGRI. Outro aspecto importante era a dificuldade de publicação de temas e trabalhos acadêmicos que não possuem “valor comercial”. As editoras tradicionais não têm interesse em nossos temas de modo geral. Sendo assim, observamos que este nicho estava aberto e decidimos entrar. Já lançamos desde 2006 mais de uma dezenas de livros que compõem o nosso portfólio.

Umas das principais publicações de Geopolítica do Brasil

Todos os recursos obtidos são reinvestidos na elaboração de mais livros. A editora Cenegri Edições não têm fins lucrativos.

Portal CENEGRI – O CENEGRI também se dedica a pesquisa e extensão. Qual a proposta do MBA em Geopolítica e Relações Internacionais?

Charles Pennaforte – Fizemos uma parceria com a Universidade Paulista (UNIP), a maior universidade privada do Brasil e muito bem avaliada pelo ENADE/MEC. O Nosso MBA é o primeiro a ser oferecido por um centro dedicado à Geopolítica. Acreditamos que a nossa produção acadêmica aliada a pesquisadores conceituados da área possa contribuir para a formação de especialistas de alto nível.

 

 Já está na hora de termos teorias “Feito no Brasil/Hecho en Brasil”. Já passou a época do “Made”.

 

Portal CENEGRI – Professor, quais são os próximos planos?

Charles Pennaforte – Manter os projetos que estão em andamento aprimorando-os. Nossa ideia é ter uma rede de colaborados em todos os continentes. Com estas informações oriundas destas áreas faremos uma avaliação sob a nossa ótica – brasileira e latino-americana – com a finalidade de termos as nossas próprias perspectivas. Já está na hora de termos teorias “Feito no Brasil/Hecho en Brasil”. Já passou a época do “Made”.

O CENEGRI tem muito a colaborar com o Brasil e a América Latina.