Washington mostra preocupação com Pequim


Os EUA temem que o novo banco de desenvolvimento chinês rivalize com o Banco Mundial enquanto fonte de financiamento do desenvolvimento na Ásia.

“Com amigos assim, quem precisa de inimigos?” – devem cochichar entre si os estrategistas de Washington desde que os governos da Inglaterra, França, Itália e Alemanha anunciaram a adesão ao novo Banco de desenvolvimento criado por Pequim.

A raiva em Washington só deve ter aumentado quando seus principais aliados do Pacífico, Japão, Austrália e Coreia do Sul, também deram fortes indícios de que embarcariam na locomotiva. Até o final de março, espera-se que mais de 35 países tenham aderido ao Banco Asiático de Infraestrutura e Investimento (Asian Infrastructure Investment Bank – AIIB) na condição de membros fundadores.

A China se comprometeu com o aporte de 50 bilhões de dólares dos 100 bilhões de dólares da meta de capitalização inicial do Banco.

Washington teme que o novo banco rivalize com o Banco Mundial e o Banco Asiático de Desenvolvimento como fontes de financiamento do desenvolvimento na região. As preocupações de Washington são pertinentes. Apesar dos esforços do presidente do Banco Mundial Jim Yong Kim para mudar a imagem do Banco, a percepção geral que se tem da instituição é que esta cumpre as prioridades de Washington. Já o Banco Asiático de Desenvolvimento (Asian Development Bank – ADB), controlado pelo Japão, é visto como submisso ao Banco Mundial, da mesma forma que, em linhas gerais, Tóquio segue os passos de Washington na política externa.

Mais uma iniciativa multilateral de Pequim

A fundação do AIIP é a terceira grande iniciativa, em menos de um ano, em que a China está envolvida para estabelecer alternativas multilaterais ao Banco Mundial e ao Fundo Monetário Internacional (FMI). Em julho passado, a Cúpula dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), realizada em Fortaleza, foi fundamental para a criação do Novo Banco de Desenvolvimento. A China e seus parceiros contribuiriam com 100 bilhões de dólares para a capitalização inicial da instituição. No mesmo encontro, China e parceiros do BRICS também estabeleceram o Arranjo Contingente de Reservas, uma alternativa evidente ao FMI de ajuda aos membros do BRICS e, eventualmente, a outros países em desenvolvimento em crise de balanço de pagamentos.

A desaprovação de Washington em ver seus aliados tradicionais se juntar ao AIIP não conseguiu superar as desvantagens em não serem parceiros de Pequim na nova empreitada. Empresas de construção e fornecedores promovidos por governos não parceiros teriam muito menos chances de ganhar as centenas de bilhões de dólares em licitações para projetos de infraestrutura financiados pelo AIIP. Para economias enfraquecidas como as da Grã-Bretanha, França e Japão, não era possível considerar a possibilidade de ficar de fora da disputa por contratos suculentos em um período de estagnação mundial. O ministro do Tesouro australiano Joe Hockey foi sincero sobre como os benefícios derivados da relação com a China superam os tradicionais laços de amizade com Washington: “Os Estados Unidos compreendem que este banco vai operar em nossa região, vai contratar empreiteiros aqui. Queremos que o banco traga oportunidades para os empreiteiros australianos e trabalho para os australianos”.

Hegemonia gera insatisfação

Para muitos analistas, Washington e seus aliados ocidentais só podem culpar a si mesmos pelo impulso cada vez mais assertivo da China em criar novas instituições multilaterais. De acordo com o New York Times, a recusa do Congresso dos Estados Unidos em aprovar uma legislação que garantisse mais direitos de voto no FMI e no Banco Mundial após a crise financeira asiática levou ao desencanto de Pequim com as duas instituições, muitas vezes chamadas de “gêmeas de Bretton Woods”. Os Estados Unidos e 15 países desenvolvidos controlam 52% dos direitos de voto no FMI, com 48% pulverizados entre os 168 outros países membros. A China, hoje a maior economia do mundo, tem apenas 3,8% de poder de voto, menor do que as partes do Reino Unido, França, Alemanha ou Japão. O Brasil, a Coreia do Sul e o México têm, cada um, menos poder de voto do que a Bélgica. Apesar de muitos protestos dos BRICS e de outras economias em desenvolvimento, houve apenas um acréscimo de 6% de seu poder de voto nos últimos 20 anos. As proporções e tendências têm sido bem parecidas no Banco Mundial.

Os EUA e os europeus também se agarram firmemente ao que tem sido caracterizado como suas prerrogativas “feudais” de dar a presidência a um cidadão norte-americano, no caso do Banco Mundial, e a direção gerencial a um europeu, no caso do FMI. Com aproximadamente 17% do poder de votos em ambas as instituições, os EUA também exercem poder de veto sobre decisões políticas fundamentais.

Políticas ineficazes

Mas, tanto ou mais que a questão dos direitos de voto, poder de veto ou prerrogativas feudais, as políticas implementadas tiveram um papel importante na insatisfação da China e de países em desenvolvimento com as duas instituições. O FMI nunca conseguiu se livrar da fama de ter ajudado a desencadear a crise financeira asiática ao promover a liberalização do balanço de capitais, agravando ainda a situação dos países afetados ao impor severas políticas de austeridade durante a crise. O Banco Mundial também não foi capaz de superar o fato de ter sido parceiro do FMI na imposição de políticas de ajuste estrutural tão dolorosas quanto ineficazes aplicadas em mais de 90 países em desenvolvimento nas décadas de 1980 e 1990. Muitos poucos destes programas tiveram algum sucesso na retomada do crescimento e na redução da pobreza.

Há alguns anos, a direção do FMI anunciou que pretendia adotar uma abordagem menos neoliberal e mais keynesiana do crescimento econômico e do desenvolvimento. Isso foi desmentido, no entanto, com a adesão do Fundo à chamada “Troika” que, juntamente com o Banco Central Europeu e a Comissão Europeia, impôs políticas de austeridade brutais à Grécia, a Portugal e à Irlanda após a erupção da crise financeira mundial, em 2008. O Banco Mundial, por sua vez, tentou se reinventar como o “banco do clima” sob a presidência de Robert Zoellick, até ser acusado pelos países em desenvolvimento de tentar centralizar o financiamento para iniciativas de adaptação às mudanças climáticas. A partir da gestão de Jim Yong Kim, um coreano-americano indicado pelo presidente Barack Obama, o Banco tentou se firmar como um defensor, junto aos países desenvolvidos, dos cortes nas emissões de gases de efeito estufa, e como um ator fundamental na contenção de doenças letais como o vírus do Ebola. No entanto, a maior parte das suas políticas e projetos ainda é definida pela lógica da economia conservadora e pelos interesses geopolíticos e econômicos dos EUA.

Com as instituições que controla apresentando resultados tão desanimadores na gestão da economia mundial e na promoção do desenvolvimento, os EUA já deveriam esperar que, mais cedo ou mais tarde, o mundo começaria a procurar outras instituições, mais preocupadas em entregar o que prometem. É claro que Pequim está ainda engatinhando com as suas iniciativas multilaterais. Para mostrar que não repetiria o comportamento dos americanos no Banco Mundial, a China já anunciou que, apesar da sua maior contribuição para o AIIB, não exigiria poder de veto sobre as decisões políticas.

*Walden Bello foi membro da Câmara dos Representantes das Filipinas até o início de março, quando pediu demissão em protesto contra uma operação sangrenta liderada pelos EUA em uma comunidade muçulmana no sul do seu país.

Tradução de Clarisse Meireles

http://cartamaior.com.br/?/Editoria/Economia/Washington-mostra-preocupacao-com-Pequim/7/33178

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *